Já passou da hora de olhar para o investimento no exterior

Atualizado: Jul 2



Recentemente o Banco Central promoveu mais um corte na taxa Selic. Uma redução de 0,75 ponto percentual, empurrando a taxa para o piso histórico de 2,25% ao ano.

Por conta de mais esta redução, surge sempre o debate sobre alternativas de investimento no Brasil diante de uma taxa de juros “tão baixa”.

Diante disso você já parou para pensar se não seria hora de investir no exterior ?

Considerando o patamar diminuto em que se encontram a taxas de juros, as alternativas no mercado brasileiro estariam pouco atrativas diante do mercado internacional.

A memória da taxa de juros de dois dígitos ainda é muito forte e subsiste na cabeça dos investidores o valor místico de 1% ao mês de rendimento.

O Brasil é tradicionalmente uma economia fechada. Estudo do Banco Mundial, com informações consolidadas de 2018, aponta que entre 188 países estamos apenas à frente de dois outros, Nigéria e Sudão, em relação ao critério abertura econômica com o exterior.

Este indicador expressa a soma de exportações e importações de bens e serviços dividido pelo PIB. Enquanto a média mundial situa-se em 45%, no Brasil esse indicador alcança, apenas, 22%.

O patamar elevado de taxas de juros com que o Brasil conviveu durante décadas com certeza inibiu a busca por ativos no exterior, mas isto parece não explicar todo o filme. Mesmo gestores profissionais custam a buscar oportunidades no exterior.

O investimento no exterior é uma boa alternativa de diversificação e, em um país fechado como o Brasil pode, inclusive, ter vantagens adicionais pela menor interação com alguns setores e países da economia mundial.

Investir no exterior significa ter acesso a um número de empresas muito maior que na bolsa brasileira, poder adquirir ações de setores não tão desenvolvidos no Brasil, como o de tecnologia, e participar de outros ciclos econômicos.

Por mais correlacionados que sejam os mercados mundiais, cada país possui suas especificidades e momentos econômicos particulares.

O segredo da diversificação está em identificar ativos pouco correlacionados. Ou seja, em uma carteira de ativos bem diversificada, enquanto alguns ativos sobem, outros descem e outros tantos ficam parados. A reduzida correlação compensa, ou atenua, os movimentos de altas e quedas e serve para controlar o risco da carteira e melhorar a relação entre risco e retorno.

Apesar destas vantagens, sempre será necessário investir tempo para identificar boas empresas de gestão e entender muito bem objetivo e política de investimentos dos fundos em análise.

Investir no exterior é uma boa estratégia de diversificação, pense nela como uma política de longo prazo e não apenas como um recurso para fugir do atual patamar das taxas de juros.

Entre em contato conosco e saiba mais como ter a proteção e inteligência financeira necessária para ter o mundo ao seu alcance!

17 visualizações
  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • LinkedIn - Black Circle

Rua Dr Leo Carvalho, 74 

Ibiza Trade & Financial Center

89036-239 - Blumenau - SC

+55 47 3053-0615

contato@fairfield.com.br

Cadastro Serviços e Corretora de Seguros Ltda - Todos os direitos reservados

CNPJ: 13.381.310/0001-45 - SUSEP 20.203.64571

©2018 by Fairfield Proteção e Inteligência Financeira.