Coface vê risco político piorar e efeitos da guerra prolongar-se de 2023 em diante


A Coface reviu como alta a estimativa sobre as implicações do conflito para a economia global em cerca de um ponto percentual até 2022. No entanto, as consequências do conflito na Ucrânia “tornar-se-ão mais evidentes a partir do segundo semestre do ano e materializar-se-ão ainda mais de 2023 em diante”.


O risco político, que tinha aumentado significativamente a nível mundial com a pandemia, “é acrescido pelo aumento dos preços dos alimentos e da energia”. O papel significativo da Rússia e da Ucrânia na produção de bens básicos, juntamente com os receios de dificuldades de abastecimento, desencadearam aumento de preços que levaram a queda dos rendimentos disponíveis das famílias e, consequentemente, do consumo, afirma a seguradora.


Bruno Fernandes, Head of Macroeconomics da Coface, salienta: “Nenhuma região escapará incólume às consequências econômicas do conflito, e após os sucessivos choques de 2020, a perceção da Coface permanece a mesma: o mundo mudou e nada voltará a ser o mesmo.

Para além das economias da Europa Central e Oriental, que têm importantes laços econômicos com a Rússia, os países da Europa Ocidental são os mais expostos devido à sua forte dependência dos combustíveis fósseis russos. A Alemanha e a Itália são suscetíveis de serem afetadas pela sua dependência do gás russo. No resto da Europa o impacto deverá ser mais fraco, mas ainda significativo”.


Neste contexto, “a volatilidade e a incerteza serão fatores importantes nas decisões de investimento das empresas, cuja situação financeira se deteriorará significativamente se os custos de produção permanecerem elevados ou continuarão a aumentar”.


Não deixe que a incerteza afete os seus negócios, solicite hoje mesmo uma consultoria sem compromisso com nosso time de analistas e otimize sua área comercial realizando novas vendas de forma segura e sustentável sem riscos para a sua operação.



Francisco Gomes CEO | Fairfield BR