As bolsas de valores americanas nunca se valorizaram tanto. Veja como investir



Grandes empresas de tecnologia, como Google e Facebook; estrelas da economia compartilhada, a exemplo da Uber; e startups e fintechs, inclusive brasileiras, têm registrado ganhos que não podem ser desconsiderados pelo investidor brasileiro.


As bolsas de valores americanas nunca se valorizaram tanto. No caso da Apple o papel da dona do iPhone foi seguido pelo da empresa de soluções de pagamento Mastercard, que valorizou 70,68%, e da empresa de tecnologia móvel Qualcomm, que subiu 67,62%.


Papéis da Microsoft, Disney, Nike, Visa, Starbucks e Facebook são outras opções que tiveram uma boa valorização no ano passado, acima de 40%.


Outro papel bastante negociado, de janeiro a novembro de 2019, foi o da gigante do varejo americano, a Amazon, que representou 9,96% do volume total. A segunda ação mais negociada foi a da Apple (9,24%), e em terceiro lugar ficaram as do Google (8,74%).


investir no exterior exige a mesma cautela de qualquer outro investimento. Com um agravante: caso a opção seja por abrir em uma conta no exterior, todas as tarifas serão cobradas em dólar, o que pode representar um custo a ser considerado no seu investimento.


Por isso é necessário estar atento ao spread do câmbio, utilizado para enviar dinheiro para fora, e também à taxa de corretagem cobrada em cada operação. Além disso, existem investimentos que incluem risco cambial, e outros não.


O importante é que a aplicação mire boas empresas lá fora e tenha horizonte de longo prazo, onde o investidor deve evitar a especulação com o câmbio, que é muito difícil de prever.


Ao investir em grandes e boas empresas o investidor não tem de se preocupar tanto com uma desaceleração do crescimento lá fora.


“O risco é semelhante ao de empresas nacionais. O importante é que a companhia tenha bons fundamentos. Geralmente elas são donas de negócios globais”.

O objetivo de investir no exterior é reduzir o risco de uma carteira, já que ativos nacionais e ativos lá fora têm uma correlação menor. Com os juros na mínima histórica, o patamar de 4,5% ao ano, passou a valer mais a pena investir no exterior como forma de buscar maiores rendimentos. É indicado que a diversificação internacional represente de 10% a 15% da carteira.


Investir lá fora está sujeito às regras do IR para aplicações nacionais, com apenas uma diferença: a conversão dos valores, que deve seguir as regras do Fisco.


Fale conosco e tenha acesso a estratégias personalizadas globais de investimento e proteção financeira.

4 visualizações
  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • LinkedIn - Black Circle

Rua Dr Leo Carvalho, 74 

Ibiza Trade & Financial Center

89036-239 - Blumenau - SC

+55 47 3053-0615

contato@fairfield.com.br

Cadastro Serviços e Corretora de Seguros Ltda - Todos os direitos reservados

CNPJ: 13.381.310/0001-45 - SUSEP 20.203.64571

©2018 by Fairfield Proteção e Inteligência Financeira.